Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.bdtd.uerj.br/handle/1/17653
Tipo do documento: Tese
Título: Cadê O índio que vivia aqui? Os Puri, a ocupação dos sertões de Campo Alegre da Paraíba Nova e o processo de invisibilidade indígena (Séculos XVIII e XIX)
Título(s) alternativo(s): Where's the indian who lived here? The Puri, the occupation of the sertões of Campo Alegre of Paraíba Nova and the process of indigenous invisibility (18th and 19th centuries)
Autor: Oliveira, Enio Sebastião Cardoso de 
Primeiro orientador: Morel, Marco
Primeiro membro da banca: Freire, José Ribamar Bessa
Segundo membro da banca: Machado, Marina Monteiro
Terceiro membro da banca: Moreira, Vânia Maria Losada
Quarto membro da banca: Muaze, Mariana de Aguiar Ferreira
Resumo: Este trabalho pesquisa a etnia indígena Puri, índios pertencentes ao tronco linguístico macro-jê, que no século XVIII, viviam nas regiões interioranas, que naquele momento eram consideradas áreas “sertanejas” onde atualmente situa-se o Estado do Rio de Janeiro. Nesses espaços de sertões, havia uma extensa região que nos séculos XVIII e XIX, era conhecida como Campo Alegre da Paraíba Nova. Com os avanços das fronteiras coloniais em direção a essa região que ainda compunha o chamado “sertões dos índios brabos”, os Puri passaram a sofrer o impacto de um violento e avassalador processo de ocupação, ocasionando vários atritos entre os Puri e luso-brasileiro na região, que levou a um grande confronto que teve como consequência a morte de vários índios Puri e a formação do Aldeamento de São Luiz Beltrão. Naquele momento se estabelecia a tentativa de se extinguir os Puri na região, que resistiam tanto dentro do Aldeamento e seu difícil cotidiano com os diversos atores ali envolvidos, como também os índios que não aceitaram a redução, e viviam “soltos” na região, e por isso considerados índios “brabos”, inimigos dos luso-brasileiros. Nas diversas tentativas de levar os Puri à extinção, estes vistos como obstáculo nas pretensões da Coroa Portuguesa/Brasileira aos interesses locais, em Campo Alegre, os Luso-brasileiros se valiam de ações que iam desde a contaminação dos índios com a chamada febre da bexiga (varíola), a brutais confrontos que levavam à morte vários índios, até a estratégia de invisibilidade indígena nos documentos oficiais, invisibilidade que levaria as autoridades provinciais a decretarem sua extinção, mesmo esses Puri sendo ainda reconhecidos como índios pela população local, diante do quadro de transformações significativas que ocorrera na antiga região de Campo Alegre da Paraíba Nova do começo do século XVIII ao final do século XIX. Essa pesquisa, além de fazer uma reflexão sobre a situação dos índios Puri frente ao processo de ocupação da vasta região de Campo Alegre da Paraíba Nova, pretende também demonstrar que, a tentativa de invisibilidade indígena que levou a sua extinção oficial não obteve êxito. Devido ao fato de a população local, após esse decreto oficial, continuar reconhecendo a existência dos Puri na antiga Campo Alegre (Município de Resende) e hoje, a 150 anos da tal extinção, existirem pessoas que se reconhecem como índios ou tenham um descendente relacionado a uma “indianidade” e pertencimento Puri.
Abstract: This work discusses the indigenous theme related to the ethnicity “Puri”, Indians belonging to the linguistic stem macro-jé, which in the 18th century, live in inland regions which at that time were considered as "sertanejas" areas where is today the State of Rio de Janeiro. There was an extensive region in these spaces of backlands in the 18th and 19th centuries, that was known as Campo Alegre da Paraiba Nova. With the advances of the colonial borders towards this region that still was a part of the so called "sertões dos ìndios brabos", the “Puri” began to suffer the impact of violent and devastating occupation processes, causing several conflicts in the region, between the “Puri” and “Brazilian- Portuguese” , which led to a major confrontation that has resulted in the death of several Indians “Puri”and formation of the Village of São Luiz Beltrão. At this point, an attempt to extinguish the “Puri” in the region settles , who resisted both inside the Village, in their hard daily life with the several actors involved there, as well as the Indians that did not accept the reduction, and lived in the region “untied” because of that ,considered as “Ìndios brabos” and enemies off Brazilian-Portuguese. In the several attempts of extinction of the “Puri”, seen as obstacles in the Portuguese/Brazilian Crown claims to local interests, in Campo Alegre, the Brazilian-Portuguese took advantage of actions ranging from contamination of Indians with “febre da bexiga” (smallpox), brutal clashes that led to the death of several Indians to the strategy of indigenous invisibility with the official documents, invisibility that led provincial authorities to decree their extinction even though these “Puri” are still recognized as Indians by the local population, before a backdrop of significant transformations that occurred in the former region of Campo Alegre da Paraiba Nova from the early 18th century to the late 19thcentury. This research, in addition to a reflection about the situation of the “Puri” Indians, against the process of occupation of the vast region of Campo Alegre da Paraíba Nova, intends to demonstrate that the attempt of Indigenous invisibility, which led to its official extinction, did not succeed. Due the fact of the local population, after this official decree, continue recognizing the existence “Puri” in the former Campo Alegre (municipality of Resende) and today, 150 years of such extinction, exist people that recognize themselves as Indians or have a related descendant a “indianity” and belonging “Puri”.
Palavras-chave: Índios na América do Sul - Brasil
Índios Puri
Indians in South America - Brazil
Puri Indians
Área(s) do CNPq: CIENCIAS HUMANAS::HISTORIA
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Sigla da instituição: UERJ
Departamento: Centro de Ciências Sociais::Instituto de Filosofia e Ciências Humanas
Programa: Programa de Pós-Graduação em História
Citação: OLIVEIRA, Enio Sebastião Cardoso de. Cadê O índio que vivia aqui? Os Puri, a ocupação dos sertões de Campo Alegre da Paraíba Nova e o processo de invisibilidade indígena (Séculos XVIII e XIX). 2018. 408 f. Tese (Doutorado em História) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://www.bdtd.uerj.br/handle/1/17653
Data de defesa: 28-Ago-2018
Aparece nas coleções:Doutorado em História

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Tese - Enio Sebastião Cardoso de Oliveira - 2018 - Completa.pdf6,74 MBAdobe PDFBaixar/Abrir Pré-Visualizar


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.