Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.bdtd.uerj.br/handle/1/20538
Tipo do documento: Dissertação
Título: Sexismo Ambivalente em graduandos de enfermagem de uma insituição pública
Título(s) alternativo(s): Ambivalent sexism in nursing undergraduates from a public institution
Autor: Vasconcelos, Susane 
Primeiro orientador: Penna, Lucia Helena Garcia
Primeiro membro da banca: Formiga, Nilton Soares
Segundo membro da banca: Prata, Juliana Amaral
Resumo: O presente estudo teve por objeto a verificação da invariância dos indicadores psicométricos da estrutura fatorial do Inventário do Sexismo Ambivalente em jovens do curso de graduação de enfermagem. Considerando que o curso de graduação em enfermagem e a própria profissão são predominantemente femininos, se torna possível pensar na existência de influências/repercussões do sexismo, desde a origem da enfermagem, até a prática assistencial do profissional em formação. Consequentemente, na multiplicação, ou não, dessa violência de gênero. Concepções sexistas e de estereótipos entre os profissionais de saúde podem gerar práticas discriminatórias e preconceituosas. Este trabalho teve como objetivo geral verificar a invariância dos indicadores psicométricos da estrutura fatorial do Inventário do Sexismo Ambivalente em jovens do curso de graduação em enfermagem, e como objetivos específicos: medir o nível de sexismo entre jovens do curso de graduação em enfermagem; identificar os tipos de sexismo entre jovens do curso de graduação em enfermagem; identificar o perfil dos jovens do curso de graduação em enfermagem. A pesquisa foi do tipo transversal, descritiva e correlacional, com uma abordagem quantitativa. A população do estudo foi composta por 305 jovens universitários a partir de 18 anos, matriculados no curso de graduação em enfermagem de uma Universidade Pública do Estado do Rio de Janeiro. O cenário do estudo: a Faculdade de Enfermagem na cidade do Rio de Janeiro. Para a produção de dados foi utilizado um instrumento elaborado em dois blocos, contendo aspectos sociodemográficos/acadêmicos e um questionário em formato de likert, com itens presentes no Inventário de Sexismo Ambivalente (ISA) onde duas dimensões foram avaliadas: sexismo hostil e sexismo benévolo. Os dados foram analisados no software Statistical Package for the Social Sciences (SPSS) versão 25.0. A análise descritiva das características da população foi expressa através de frequências (absoluta e relativa) para as variáveis categóricas, para as variáveis quantitativas foram utilizadas medidas de tendência central (média, mediana) e de dispersão (desvio padrão) e cálculos referentes à correlação de Pearson, alfa de Cronbach, Correlação intraclasse, Qui-quadrado e Teste t.Utilizou-se Análise Fatorial Confirmatória para testar a consistência da existência do modelo bifatorial do sexismo entre os estudantes. A análise confirmou a estrutura bidimensional do sexismo, evidenciou uma correlação positiva significativa entre sexismo hostil e benévolo. A população foi predominantemente do sexo feminino, na faixa etária de 20 a 24 anos e apresentou maior escore no sexismo benevolente. Comparado às variáveis sociodemográficas e acadêmicas em função do sexismo, foi revelado escores superiores para o homem, de 20 a 24 anos, no final do período, tanto para o sexismo benévolo, quanto para o hostil. Os resultados oferecem suporte à teoria do sexismo ambivalente e contribuições na área do ensino e da assistência de enfermagem, a partir da elaboração de conhecimentos a respeito da dinâmica comportamental relacionada às apresentações do sexismo entre os jovens universitários de enfermagem e reflexões sobre o fenômeno no processo de formação nos cursos de graduação em enfermagem.
Abstract: The present study aimed to verify the invariance of the psychometric indicators of the factor structure of the Ambivalent Sexism Inventory in young undergraduate nursing students. Considering that the undergraduate nursing course and the profession itself are predominantly female, it is possible to think about the existence of influences/repercussions of sexism, from the origin of nursing, to the care practice of the professional in training. Consequently, in the multiplication or not, of this gender violence. Sexist conceptions and stereotypes among health professionals can generate discriminatory and prejudiced practices. The general objective of this study was to verify the invariance of the psychometric indicators of the factor structure of the Ambivalent Sexism Inventory in young undergraduate nursing students, and the specific objectives were to measure the level of sexism among young undergraduate nursing students; Identify the types of sexism among young undergraduate nursing students; Identify the profile of young undergraduate nursing students. The research was cross-sectional, descriptive, and correlational, with a quantitative approach. The study population consisted of 305 young university students aged 18 and over, enrolled in the undergraduate nursing course at a Public University in the State of Rio de Janeiro. The study setting was the Nursing School in the city of Rio de Janeiro. For the production of data, an instrument elaborated in two blocks was used, containing sociodemographic/academic aspects and a questionnaire in likert format, with items present in the Ambivalent Sexism Inventory (ISA) where two dimensions were evaluated: hostile sexism and benevolent sexism. The data were analyzed using the Statistical Package for the Social Sciences (SPSS) software version 25.0. The descriptive analysis of the population characteristics was expressed through frequencies (absolute and relative) for the categorical variables, for the quantitative variables measures of central tendency (mean, median) and dispersion (standard deviation) were used and calculations regarding Pearson's correlation, Cronbach's alpha, intraclass correlation, Chi-square and t-test were used. Confirmatory Factor Analysis was used to test the consistency of the existence of the bifactor model of sexism among students. The analysis confirmed the two-dimensional structure of sexism, showing a significant positive correlation between hostile and benevolent sexism. The population was predominantly female, in the age group of 20 to 24 years and presented a higher score in benevolent sexism. Comparison of sociodemographic and academic variables according to sexism revealed higher scores for men aged 20-24 years at the end of the period, both for benevolent and hostile sexism. The results offer support to the theory of ambivalent sexism and contributions in the area of teaching and nursing care, based on the elaboration of knowledge regarding the behavioral dynamics related to the presentations of sexism among young university nursing students and reflections on the phenomenon in the training process in undergraduate nursing courses.
Palavras-chave: Sexismo
Violência de gênero
Enfermagem
Sexism
Gender-based violence
Nursing
Área(s) do CNPq: CIENCIAS DA SAUDE::ENFERMAGEM
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Sigla da instituição: UERJ
Departamento: Centro Biomédico::Faculdade de Enfermagem
Programa: Programa de Pós-Graduação em Enfermagem
Citação: VASCONCELOS, S. Sexismo Ambivalente em graduandos de enfermagem de uma instituição pública. 2023. 110 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Faculdade de Enfermagem, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2023.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://www.bdtd.uerj.br/handle/1/20538
Data de defesa: 21-Set-2023
Aparece nas coleções:Mestrado em Enfermagem

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertação - Susane Vasconcelos - 2023 - Completa.pdf2,51 MBAdobe PDFBaixar/Abrir Pré-Visualizar


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.