Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.bdtd.uerj.br/handle/1/20613
Tipo do documento: Dissertação
Título: A COVID-19 na mídia: a construção da representação social da doença na pandemia
Título(s) alternativo(s): COVID-19 in the media: the construction of the social representation of the disease in the pandemic
Autor: Castro, Suzana da Silva 
Primeiro orientador: Oliveira, Denize Cristina de
Primeiro coorientador: Machado, Yndira Yta
Primeiro membro da banca: Nunciaroni, Andressa Teoli
Segundo membro da banca: Gomes, Antonio Marcos Tosoli
Resumo: Este estudo objetivou analisar as representações sociais da COVID-19 construídas durante a pandemia na mídia jornalística. Trata-se de uma pesquisa documental, exploratória, descritiva, com abordagem metodológica quali-quantitativa, pautada na Teoria das Representações Sociais. No que se refere ao método, foi escolhido como cenário o jornal O Globo. A seleção das matérias para constituição da amostra obedeceu aos seguintes critérios: um domingo e um dia da semana sorteados a cada mês, gerando um total de 421 matérias para análise. O período temporal da coleta de dados foi de 11 de março de 2020 até junho de 2021. Os dados foram submetidos às seguintes análises: 1) análise da linha do tempo da COVID-19; 2) análise estatística das seguintes variáveis: mês, ano, período da pesquisa, seção, espaço que ocupa na página, zona de visualização, tamanho da matéria, capa do jornal, gêneros jornalísticos e gêneros dos sistemas de comunicação de Moscovici; 3) análise lexical do corpus constituído pelo conjunto das matérias selecionadas. Os resultados da análise estatística foram: maior número de matérias publicadas no 1º semestre de 2021 (39,7%), as quais, vistas em conjunto com a linha do tempo, mostram um crescimento expressivo do número de mortes, início da vacinação da COVID-19 no Brasil, crise em Manaus e CPI da COVID-19. Em relação à localização na página, observou-se maior prevalência em superior completa (30,2%), quanto a zona de visualização, 52% apareceram na zona principal. Quanto ao tamanho da matéria, 57,5% foram classificadas como média, mostrando que o jornal deu destaque para matérias relacionadas à pandemia. Sobre os gêneros jornalísticos, apurou-se 60,8% para informativo e os gêneros de comunicação de Moscovici, ressaltou-se a Difusão com 62,9%. Nos resultados da análise do material textual observou-se seis classes lexicais que foram discutidos a partir de três contextos: a) as dimensões sociais e econômicas da COVID-19. A crise macroeconômica e a taxa de mortalidade se apresentaram interligadas e evidenciou-se o viés econômico do jornal, culpabilizando o auxílio emergencial pelo déficit das contas públicas; b) aos fatores constituintes do enfrentamento da COVID-19. Avultou-se as percepções da população sobre a pandemia, o medo da morte por parte dos atores envolvidos com o ambiente hospitalar, cuja internação remetia à expectativa do agravamento e à morte. O enfrentamento das mudanças geradas pela pandemia e suas consequências para as rotinas cotidianas e a crise financeira vivida pela população. Neste sentido, observou-se que as formas de lidar com a pandemia foram diferenciadas, visto que o país se encontrava inserido em um quadro de enorme desigualdade social. E por fim, a vacina que foi abordada pela visão biomédica, com um silenciamento do jornal em relação à saúde pública e c) a política e seus representantes na pandemia de COVID-19 que englobou o momento político do Brasil, no qual destacou-se indícios de negligência por parte de representantes políticos. Conclui-se que as representações sociais veiculadas pelo jornal carrearam o seu viés econômico neoliberal, obscurecendo a desigualdade social, assim como a saúde pública, através do silenciamento sobre o Programa Nacional de Imunizações e o Sistema Único de Saúde.
Abstract: This study aimed to analyze the social representations of COVID-19 constructed during the pandemic in the journalistic media. This is a documental, exploratory, descriptive research, with a quali-quantitative methodological approach, based on the Theory of Social Representations. With regard to the method, the newspaper O Globo was chosen as the scenario. The selection of articles for the sample complied with the following criteria: one Sunday and one day of the week drawn each month, generating a total of 421 articles for analysis. The time period of data collection was from March 11, 2020 to June 2021. The data were subjected to the following analyses: 1) COVID-19 timeline analysis; 2) statistical analysis of the following variables: month, year, research period, section, space it occupies on the page, visualization zone, article size, newspaper cover, journalistic genres and genres of Moscovici's communication systems; 3) lexical analysis of the corpus constituted by the set of selected subjects. The results of the statistical analysis were: a greater number of articles published in the 1st half of 2021 (39.7%), which, seen together with the timeline, show a significant growth in the number of deaths, initiation of COVID vaccination -19 in Brazil, crisis in Manaus and CPI of COVID-19. Regarding location on the page, there was a higher prevalence in complete top (30.2%), as for the viewing area, 52% appeared in the main area. As for the size of the article, 57.5% were classified as medium, showing that the newspaper highlighted stories related to the pandemic. Regarding journalistic genres, 60.8% were found to be informative and Moscovici's communication genres, Diffusion stood out with 62.9%. In the results of the analysis of the textual material, six lexicais classes were observed that were discussed from three contexts: a) the social and economic dimensions of COVID-19. The macroeconomic crisis and the mortality rate were interconnected and the newspaper's economic bias became evident, blaming the emergency aid for the public account deficit; b) the constituent factors of coping with COVID-19. The population's perceptions about the pandemic increased, the fear of death on the part of the actors involved with the hospital environment, whose hospitalization referred to the expectation of aggravation and death. Coping with the changes generated by the pandemic and its consequences for everyday routines and the financial crisis experienced by the population. In this sense, it was observed that the ways of dealing with the pandemic were different, since the country was inserted in a framework of enormous social inequality. And finally, the vaccine that was approached by the biomedical vision, with a silencing of the newspaper in relation to public health and c) politics and their representatives in the COVID-19 pandemic that encompassed the political moment in Brazil, in which evidence of negligence on the part of political representatives was highlighted. It is concluded that the social representations conveyed by the newspaper carried its neoliberais economic bias, obscuring social inequality, as well as public health, through silencing the National Immunization Program and the Unified Health System.
Palavras-chave: COVID-19
Mídia Jornalística
Representação social
COVID-19
Journalistic Media
Social Representation
Área(s) do CNPq: CIENCIAS DA SAUDE::ENFERMAGEM
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Sigla da instituição: UERJ
Departamento: Centro Biomédico::Faculdade de Enfermagem
Programa: Programa de Pós-Graduação em Enfermagem
Citação: CASTRO, Suzana da Silva. A COVID-19 na mídia: a construção da representação social da doença na pandemia. 2023. 157 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Faculdade de Enfermagem, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2023.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://www.bdtd.uerj.br/handle/1/20613
Data de defesa: 20-Jun-2023
Aparece nas coleções:Mestrado em Enfermagem

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertação - Suzana da Silva Castro - 2023 - Completa.pdf3,1 MBAdobe PDFBaixar/Abrir Pré-Visualizar


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.