Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.bdtd.uerj.br/handle/1/4064
Tipo do documento: Dissertação
Título: Fragilidade e desempenho cognitivo em idosos clientes de uma operadora de saúde da zona norte da cidade do Rio de Janeiro
Título(s) alternativo(s): Frailty and cognitive performance in elderly of a private health care in the northern Rio de Janeiro city
Autor: Faria, Camila de Assis 
Primeiro orientador: Lopes, Claudia de Souza
Primeiro coorientador: Lourenço, Roberto Alves
Primeiro membro da banca: Mendonça, Gulnar Azevedo e Silva
Segundo membro da banca: Paradela, Emylucy Martins Paiva
Terceiro membro da banca: Fichman, Helenice Charchat
Resumo: Alguns autores entendem o declínio cognitivo como fator de risco para fragilidade. No entanto, outros estudos apresentam a fragilidade como fator de risco para declínio cognitivo. O presente estudo também entende a relação entre fragilidade e desempenho cognitivo neste sentido. Ainda são poucos os estudos que avaliaram esta associação na literatura internacional e não identificamos nenhum estudo conduzido no Brasil, ou mesmo na América Latina, que a tenha investigado. Este estudo tem como objetivo, investigar a associação entre a síndrome da fragilidade e desempenho cognitivo em idosos, e o efeito da escolaridade e da idade nesta associação. Para isto, analisaram-se dados seccionais da Fase 1 do Estudo da Fragilidade em Idosos Brasileiros (Rede FIBRA - Fragilidade em Idosos Brasileiros), relativos à clientes de uma operadora particular de saúde, com 65 anos ou mais, residentes na zona norte da cidade do Rio de Janeiro. A população final de estudo foi de 737 idosos. O desempenho cognitivo foi avaliado através do Mini Exame do Estado Mental (MEEM). Foram considerados frágeis os indivíduos que apresentaram três ou mais das seguintes características: perda de peso não intencional (mais de 4,5Kg no último ano); sensação de exaustão auto-relatada; baixo nível de força de preensão palmar (sujeitos no primeiro quintil); baixo nível de atividade física (sujeitos no primeiro quintil do Minnesota) e lentificação da marcha (sujeitos no primeiro quintil). Também foram coletadas informações sobre características socioeconômicas e demográficas, apoio social, condições médicas e capacidade funcional. O desempenho cognitivo (MEEM) e a fragilidade foram analisados como variáveis dicotômicas. Avaliou-se o papel da idade e escolaridade como possíveis modificadoras de efeito na associação entre fragilidade e baixo desempenho cognitivo. A avaliação da associação entre fragilidade e desempenho cognitivo foi feita através de regressão logística multivariada. A variável idade se comportou como modificadora de efeito na associação entre fragilidade e desempenho cognitivo, x²(5) = 806,97, p<0,0001. O mesmo não ocorreu com a variável escolaridade. Os idosos frágeis apresentaram uma maior prevalência de baixo desempenho cognitivo, quando comparados aos idosos não-frágeis ou pré-frágeis, nos três estratos estudados (65 a 74 anos; 75 a 84 anos; >_ 85 anos), p<0,001. A associação entre fragilidade e baixo desempenho cognitivo foi encontrada somente em idosos com 75 anos ou mais, sendo OR bruto=2,68 (IC 95% 1,29 5,53) para idosos de 75 a 84 anos e OR bruto= 6,39 (IC 95% 1,82 - 22,42) para idosos de 85 anos ou mais. Após ajuste pelas condições de saúde, capacidade funcional e pelas variáveis socioeconômicas e demográficas, a associação entre fragilidade e baixo desempenho cognitivo se manteve nesses estratos, OR aj=2,78 (IC 95% 1,23 - 6,27) para 75 a 84 anos e OR aj=15,62 (IC 95% 2,20 110,99) para 85 anos ou mais. A síndrome da fragilidade está, portanto, associada ao baixo desempenho cognitivo em idosos. A idade revelou-se como modificadora de efeito nesta associação. Os idosos com idade mais avançada revelaram uma associação mais expressiva entre os dois fenômenos.
Abstract: Some authors understand that cognitive performance is a predictor of frailty. However, consistent studies show frailty as a predictor of cognitive decline. This study also considers the relationship between frailty and cognitive performance in this regard. There are still few studies that evaluated this association in international literature and have not identified any studies conducted in Brazil or in Latin America, which has investigated. The objectives of the study were to investigate the association between frailty syndrome and cognitive performance in older adults, and the effect of schooling and age in this association. Data used were from Phase 1 of the "Estudo da Fragilidade em Idosos Brasileiros" (Rede FIBRA - Fragilidade em Idosos Brasileiros), relating to customers of a private health provider, with 65 years and older living in the northern of Rio de Janeiro city. The final study population was 737 elderly. Cognitive performance was assessed using the Mini-Mental State Examination (MMSE). We considered frail individuals who exhibited three or more of the following: unintentional weight loss (more than 4.5 kg in the last year); feeling self-reported exhaustion, low grip strength (subject in the first quintile), low physical activity level (subject in the first quintile of Minnesota), slowness (subject in the first quintile). Socioeconomic and demographic characteristics, social support, medical conditions and functional capacity were also collected. The cognitive performance (MMSE) and the frailty were treated as dichotomous variables. We evaluated the age and schooling as effect modifiers on the association between frailty and low cognitive performance. The association between frailty and cognitive performance was evaluated by multivariate logistic regression. The age variable was an effect modifier in the association between frailty and cognitive performance, x² (5) = 806.97, p <0.0001. The same hasn t happened with schooling. The frail subjects had a higher prevalence of low cognitive performance, compared to not frail or prefrail, in the three strata (65 to 74 years; 75 to 84 years, >_ 85 years), p<0.001. The association between frailty and low cognitive performance was found only in patients aged 75 years and older, crude OR=2.68 (95% CI 1.29 - 5.53) for aged 75 to 84 and crude OR=6,39 (95% CI 1.82 - 22.42) for 85 years and older. After adjusting for medical conditions, functional ability and the socioeconomic and demographic variables, the association between frailty and low cognitive performance remained in these strata, OR adj = 2,78 (95% CI 1,23 - 6,27) for 75 to 84 years and OR adj = 15,62 (95% CI 2,20 110,99) for 85 years and older. Frailty syndrome is associated with low cognitive performance in older adults. Age proved to be an effect modifier in this association. The oldest patients showed a more significant association between the two phenomena.
Palavras-chave: Frailty
Cognitive performance
Age
schooling
Fragilidade
Desempenho cognitivo
Idade
Escolaridade
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::SAUDE COLETIVA
Idioma: por
País: BR
Instituição: Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Sigla da instituição: UERJ
Departamento: Centro Biomédico::Instituto de Medicina Social
Programa: Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva
Citação: FARIA, Camila de Assis. Fragilidade e desempenho cognitivo em idosos clientes de uma operadora de saúde da zona norte da cidade do Rio de Janeiro. 2011. 77 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas e Saúde; Epidemiologia; Política, Planejamento e Administração em Saúde; Administra) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://www.bdtd.uerj.br/handle/1/4064
Data de defesa: 26-Abr-2011
Aparece nas coleções:Mestrado em Saúde Coletiva

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
Diss Camila Faria.pdf1,28 MBAdobe PDFBaixar/Abrir Pré-Visualizar


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.